Sou pagão e digo “Obrigado”!

Evening hope

É cada vez mais comum ouvirmos pessoas dizendo que “obrigado” é uma expressão errada para expressar o sentimento de agradecimento. É tão comum escutar isso, quanto escutar pessoas substituindo essa expressão por outras, sendo a mais comum “gratidão”. Neste texto não quero me debruçar sobre a linguística e, muito menos, trazer uma discussão sobre linguística histórica, sociolinguística e muito menos falar sobre “essência” da palavra. Acho tudo isso muito discutível, sim, mas existem linguistas competentes que podem fazer isso.

Quero me debruçar, hoje, sobre o senso comum e como ele tem se mostrado, ao menos para mim, um pouco equivocado; e como minha visão pagã interfere nessa discussão.

Os famosos textos que circulam pela internet, dizem que obrigado vem do latim “obligatus”, significando algo como ligar ou amarrar. Ou seja, dizer “obrigado” como agradecimento seria, para essa visão, ficar ligado ou amarrado à pessoa que nos ajudou de alguma forma.

Mas calma lá, sou pagão, vejo todo o universo como uma coisa só; como a própria Deusa. Ela é criadora e criatura. Todos SOMOS e fazemos parte do corpo Dela. Então, todos estamos ligados no corpo da Deusa! Todos SOMOS Ela! Todos os nossos atos e de todos os outros seres ao nosso redor são relacionados, são ligados, são INTERDEPENDENTES. Então, ao dizer obrigado, usando essa visão discutível de “ligar” ou “amarrar”, é um atestado de que eu e você somos parceiros no corpo da Deusa. Então “Obrigado! Estou ligado a você e a todos os outros seres deste universo! O Amor da Deusa que criou tudo o que existe nos liga, nos amarra!”

Nestes textos sobre os motivos de não usar “obrigado”, também é comum encontrar uma argumentação dizendo que essa expressão traz consigo um sentido de obrigação, imposição, ou dever. Neste caso, obrigado seria dizer algo como: “Me sinto no dever de retribuir o bem que me fez”

A pergunta que eu me faço é: por qual motivo essa obrigação é ruim?
Se estamos todos ligados, se meus atos interferem nas vidas de outras pessoas, se somos uma Grande Teia que vibra unida, é meio óbvio que eu tenho, sim, o dever de cuidar da manutenção dessa Teia, da manutenção do bem-estar das pessoas ao meu redor, da nutrição, seja ela física ou emocional dos que eu amo. Sim, eu tenho essa obrigação, esse dever. “Obrigado! Você cumpriu o seu papel de cuidar daqueles que te circulam, e eu também vou continuar cumprindo o meu!”

Por essas e outras eu continuo dizendo: Obrigado!

Texto de Thoth An Ptah.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s