Arianrhod, Deusa da Roda de Prata

b41f1100a9e23c76a3d8294db243b199

Arianrhod (por vezes escrito como Arianrhod, Aranrhod, Aryanrot, Aranrot ou Aranron) é uma Deusa galesa da lua, as estrelas e do céu além de ser chamada para trabalhos com fertilidade, partos, morte e reencarnação, destino, magia, justiça e para tudo que envolva a noite. É tida também como uma Deusa da Roda do Ano e Deusa da Lua Cheia. Arianrhod também tem uma poderosa associação com o mar.

O nome Arianrhod significa “Roda de Prata”, ou “Círculo de Prata”, cujo nome é indicativo de seu papel como uma Deusa da Lua Cheia, muitas vezes essa roda é representada como um disco com oito raios que representam a roda das estrelas. Esta Deusa pode ser vista como um aspecto complementar de Olwen cujo nome significa “A Roda de Ouro”, uma Deusa Donzela ligada à Lua crescente, começos e primaveras.

Ela também tem sido conhecida como a “Virgem Deusa Branca do nascimento, iniciação, morte e renascimento”, e a “Roda de Prata, que desce para o mar”.

Ela é descrita como muito bonita e com a pele muito pálida. Seus símbolos são o caldeirão e a porca branca.
O caldeirão era um importante símbolo do poder feminino, enquanto a porca branca indica que ela tinha uma forte ligação com o submundo.

Arianrhod era a Senhora do Caer Arianhod, a Torre do Outro Mundo e da Iniciação, muitas vezes é chamado de “Castelo da Roda de Prata”, embora possa ser mais conhecido, para alguns, como Boreal ou Via Láctea.
Quando guerreiros morriam na batalha, era papel de Arianrhod recolher suas almas, colocá-los a bordo de seu navio, conhecido como Remo Wheel, e depois transportá-los para Emania, que também era conhecida como Moonland. Então, quando finalmente chegavam a Moonland, Arianrhod iniciava as almas no outro mundo em suas novas vidas no Caer Sidi, onde passariam o tempo que tinham entre suas encarnações. Era também no Caer Sidi que os poetas aprendiam a sabedoria das estrelas.

.

Mitologia

arianrhod1Na tradição irlandesa, há uma profecia afirmando que existia uma Deusa entre as quais se manifestavam como um tecelã. Arianrhod possui as qualidades necessárias para ser uma perfeita tecelã pois possui grande força e independência e essas qualidades seriam extremamente importantes para quem, de fato, iria se manifestar nesse papel.
A sugestão de que Arianrhod, eventualmente, poderia ser uma tecelã, segue uma linha, que conecta várias outras culturas diferentes e é bem sabido que estas tecelãs tem, talvez o maior poder de todos, porque a medida que tecem controlam a vida dos homens e de Deuses igualmente.

Arianrhod desempenha um papel importante no conto conhecido como “Math, o Filho de Mathonwy”, que aparece na coleção de histórias galesas, conhecido como o Mabinogion.

Math era um rei mago, que para continuar o seu reinado, era obrigado a manter os pés descansando no colo (ou ventre) de uma virgem, sempre que ele não estivesse envolvido em batalha. A formosa e justa Goewin era quem segurava os pés de Math e, por sua função, ela era a fonte tanto de sua soberania como de seu poder.

Um dia, o irmão de Arianrhod, Gwydion, chegou perto de seu irmão mais novo, Gilvaethwy, que parecia estar deprimido e perguntou por que o seu irmão estava tão tristonho, Gilvaethwy, confiando nele, disse-lhe de seu amor e desejo pela virgem Goewin.
Goewin, no entanto, sendo a que ficava com os pés de seu tio, estava constantemente ao lado dele, tornando impossível para Gilvaethwy ficar sozinho com ela, a não ser que Math fosse para uma guerra e assim ele poderia falar-lhe sobre seus sentimentos. Então, através de engano, mentiras e um feitiço mágico, Gwydion foi capaz de criar uma guerra, em que Math foi lutar, deixando Goewin para trás, esperando em Caer Dathyl o seu retorno.

Presunçosamente, Gilvaethwy sabia muito bem que Gwydion tinha arquitetadoado o estratagema perfeito usando sua magia para criar uma guerra, permitindo-lhe o tempo necessário que precisava para fazer Goewin ciente de como era grande e real o seu amor por ela.

Quando Math partiu para a guerra uma grande batalha se seguiu. O que havia começado como uma mentira e um feitiço mágico, acabou por ser um banho de sangue. Muitos homens dignos foram mortos e entre eles estava o rei Pryderi, o filho do mortal rei Pwyll e Rhiannon, a Deusa galesa da morte.

Gilvaethwy foi diretamente para o castelo de Math e então, sentou-se, exatamente onde Math se sentava, sempre que seus pés estavam descansando no colo de Goewin. Bastante grosseiro, Gilvaethwy começou a expulsar todos do aposento rapidamente, exceto Goewin, a donzela, que ele forçou a ficar lá com ele, contra sua vontade.
Foi lá e então, no próprio assento de Math, que Gilvaethwy estuprou a donzela e, quando terminou o que havia começado, deixou Goewin desesperada pois, uma vez que tinha ela perdido a sua virgindade, não poderia mais ser aquela que ficava com os pés de Math e perdera assim, também, a capacidade de conceder e garantir a ele, a continuidade e soberania de seu reino e parentesco com a sua terra.

Quando finalmente a batalha terminou e o rei Pryderi havia sido enterrado, Math retornou a Caer Dathyl, imediatamente perguntou onde a donzela Goewin estava. Foi então que Goewin apareceu diante dele e, com lágrimas, explicou a Math que ela não poderia mais guardar seus pés, pois a sua virgindade tinha sido tirada, contra sua vontade, por seu sobrinho Gilvaethwy, por meio de traição de Gilvaethwy e seu irmão, Gwydion.

Pouco tempo depois Math descobriu que a guerra tinha realmente sido criada por um dos feitiços de Gwydion e que a guerra que nunca deveria ter acontecido. Tornou-se extremamente claro para Math que Gwydion tinha criado a guerra, de modo que Gilvaethwy pudesse estar a sós com Goewin e depois, em vez de agir como um cavalheiro, Gilvaethwy, demonstrou seu péssimo caráter agindo brutalmente, pela maneira com que tinha declarado o seu amor e por estuprar Goewin. Obviamente, chateado com o que tinha acabado de saber, Math disse a Goewin que iria compensá-la por tudo e como parte dessa compensação, ele iria casar-se com ela.

tumblr_nwc5b4hsua1tmtlsdo1_1280Quando Math castiga severamente seus sobrinhos, transformando-os em uma série de animais, e casa com Goewin para aliviar sua vergonha. No entanto, ele deve encontrar uma nova virgem para segurar seus pés e  Gwydion sugere sua irmã, Arianrhod. Para testar sua virgindade, Math diz-lhe para pisar em sua vara mágica. Ao fazer isso, no entanto, ela imediatamente dá à luz um menino, Dylan ail Don, e um ser informe que se torna Lleu Llaw Gyffes.

Dylan, que é um espírito do mar, foge para o oceano imediatamente depois que foi batizado; Gwydion agarra o ser antes de qualquer outra pessoa vê-la e o coloca em um baú. Em pouco tempo ele se torna um menino que cresce em duas vezes mais rápido que o normal; Quando ele tem quatro anos, ele é tão grande quanto um menino de oito anos. Gwydion o leva para ver sua mãe em sua casa, no Caer Arianrhod.

No entanto, Arianrhod ainda está com raiva de sua humilhação na corte da Math. Ela coloca um tynged (uma maldição ou feitiço) sobre o menino que ele nunca vai ter um nome, a menos que ela o nomeie. Gwydion disfarça o menino como um sapateiro e retorna a Caer Arianrhod; a Deusa vê o menino matando um pássaro com uma única pedra e observa que aquela criança loira (“lleu“) tem uma mão hábil (“llaw gyffes“). Gwydion revela o disfarce, e diz que ela acaba de dar a seu filho um nome – Lleu Llaw Gyffes. Arianrhod então coloca um segundo tynged em Lleu, que ele nunca iria tomar as armas, a menos que ela o armasse.

Alguns anos mais tarde, Gwydion e Lleu retornam a Caer Arianrhod, desta vez disfarçados de bardos. Gwydion conta histórias e diverte a corte. Naquela noite, enquanto todos dormem, ele conjura uma frota de navios de guerra. Arianrhod dá a seus convidados armas e armaduras para ajudá-la a lutar, dispersando assim sua segunda maldição. Quando Gwydion revela o engano, Arianrhod coloca um final tynged em Lleu: ele nunca teria uma esposa de qualquer raça que está na terra. Gwydion e Math eventualmente rompem esta maldição, criando uma mulher de flores. Ela é Deusa chamada Blodeuwedd (“rosto de flor”).

Com suas maldições, Arianrhod negou a Lleu os três aspectos da masculinidade: um nome, força e uma esposa.

.

arianrhodEm outras fontes

Uma das Tríades de Gales estabelece uma conexão familiar diferente para Arianrhod. Seu pai é Beli Mawr, e seu irmão é Caswallawn (o Cassivellaunus histórico). Ela tem dois filhos com Lliaws (filho de Nwyfre), que são Gwenwynwyn e Gwanar, e ambos acompanham Caswallawn em sua busca por  depois que ele foi perseguido da Grã-Bretanha.

As histórias da mitologia galesa mudaram ao longo do tempo, e o Mabinogion não contém a única versão deles. O estudioso galês William John Gruffydd observou que os poetas do século XV e XVI aparentemente conheciam uma versão alternativa na qual Arianrhod se tornou a que segurava os pés de Math. Além disso, alguns estudiosos sugeriram que, em uma forma anterior do Quarto Ramo do Mabinogion, Gwydion era o pai dos filhos de Arianrhod.

.

Curiosidade

O palácio de Arianrhod, o Caer Arianrhod, é conectado com uma formação de rocha visível fora da costa de Gwynedd do norte na maré baixa. Esta formação é um dos vários marcos que atestam a localização dos eventos no Quarto Ramo nesta área. O nome “Caer Arianrhod” também é usado em galês para a constelação Corona Borealis, também conhecida como Coroa do Norte ou Boreal.

.

Parentesco:

  • Filha de filha de Dôn (Deusa equivalente a Danu) e Beli
  • Irmã de Gwydion e Gilfaethwy em algumas fontes e de Caswallawn em outras
  • Mãe de Dylan ail Don, um Deus do Mar e Lleu Llaw Gyffes um Deus do Sol em algumas fontes e mãe de Gwenwynwyn e Gwanar em outras
  • Esposa de Lliaws em algumas fontes

.

Deusas com os atributos semelhantes:

  • Mitologia Grega: Ariadne, Astéria, As Horai
  • Mitologia Egípica: Nut
  • Mitologia Nórdica: Freya

.

Guia rápido de Correspondências:

  • Invoque Arianhod para: Noite, sexualidade,  justiça, destino, morte, renovação, sabedoria, magia da lua e iniciações
  • Animais: coruja
  • Aromas e plantas: rosa branca, jasmim, lótus, flor de maçã, bétula, amora-preta, erva-dos-gatos, margaridas, urze
  • Pedras: Água marinha, coral, esmeralda, kunzita, lápis-lazuli, quartzo rosa, amazonita, quartzo branco, ametista
  • Cores: prata e branco
  • Jóias: ouro, prata e cobre
  • Face da Deusa: Donzela e Mãe
  • Dia da Semana: Segunda-feira
  • Elemento: Ar e Água
  • Signo: Touro
  • Data comemorativa: 2 de dezembro
  • Símbolos: roda, porca, caldeirão, estrelas, espirais e tudo que denote movimento circular
Anúncios

7 comentários sobre “Arianrhod, Deusa da Roda de Prata

  1. AAA eu amo teu trabalho e o site tá lindo, vou procurar se tem página no facebook e etc, continua postando ❤

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s