Etiqueta Mágica (parte 1 de 3)

Muitas pessoas sonham em encontrar um grupo mágico para conviver ou, simplesmente, para aprender mais porém ao encontrar essas pessoas, acabam cometendo algumas gafes em encontros públicos. A Naelyan Wyvern, bruxa há mais de 20 anos e líder da Tradição Caminhos das Sombra já conduziu inúmeros encontros pagãos e compilou alguns pontos a se prestar atenção. Vale a pena dar uma lida. 😉

Parte 1: nas relações entre as pessoas:

a) Respeito sim, obediência não

Seja polido no trato com outros praticantes, particularmente com os que têm mais tempo de prática do que você. Já vi muitas pessoas perturbando palestras e workshops, em uma profunda falta de respeito com o tempo e o esforço da pessoa que está te ensinando. Lembre-se, na maioria das tradições e caminhos mágicos um iniciado assume um compromisso de treinar pelo menos uma pessoa na vida. Apenas uma. Assim, nenhum iniciado é obrigado a partilhar os conhecimentos dele com você. Se ele o fizer, entenda isso como uma dádiva e trate a dádiva e quem a está oferecendo com o respeito que ele ou ela merece.

Isso não significa que você deve obedecer a pessoa em tudo, sem questionar. Se algo não parece ser correto para você, não faça. Você também deve a si mesmo o devido respeito.

b) Limpe sua sujeira

Se você estiver participando de um evento mágico em um local público, não deixe seu lixo para trás. Leve um saquinho com você para recolher qualquer lixo que você produzir. Os organizadores do ritual não são obrigados a sair cantando as coisas que você largar por aí.

Se você estiver participando de um evento na casa de alguém, seja ainda mais cuidadoso. Não deixe seus copos e pratos sujos para serem recolhidos pelos donos da casa. Não esqueça de dar descarga quando usar o banheiro e ABAIXAR A TAMPA DA PRIVADA. Se uma porta estava aberta, deixe-a a aberta, se estava fechada, feche-a.

O mesmo vale para lixo energético. Não jogue sua energia nas pessoas. Se você se sentir mal, energizado demais, ou sem energia, tome as providencias necessárias para centrar e aterrar sua energia. Os organizadores do evento não são obrigados a servir de faxineira energética para todos os presentes.

c) Não incomode as pessoas

Não se ofereça para passar a noite na casa das pessoas depois de um evento mágico só porque o evento terminou tarde. Se você não tem como voltar para casa se ficar muito tarde SAIA MAIS CEDO DO LOCAL.

Não largue suas coisas espalhadas na casa da pessoa. Não tome liberdades como tirar seus sapatos e largá-los na sala. Não mexa em nada sem perguntar primeiro se pode. Não saia abrindo portas ou armários sem perguntar primeiro. Não saia investigando a casa alheia sem um convite.

Os organizadores do evento não são obrigados a servir de motorista para ninguém e não são obrigados a alimentar um batalhão de praticantes. Procure se informar sobre estes detalhes antes de comparecer. E acostume-se a levar sua contribuição de comida ou bebida.

d) Não roube

Sério, não preciso explicar isso, preciso? Praticantes de magia tendem a juntar ferramentas mágicas e livros. Isso não te dá o direito de pegar um livro e não devolver e muito menos que roubar algo deles. Conheço bruxas que tiveram athames e bastões roubados e por causa disso, nunca mais se abriram para trabalhos em grupo. Todos perdem por causa das ações estúpidas de alguns.

e) Não polua

Antes de acender seu cigarro pergunte se pode. Muitos praticantes de magia gostam de manter sua casa energeticamente limpa, o que significa que não vão querer alguém fumando nela.

Antes de levar bebida alcoólica, pergunte se pode. E não vá a um ritual se você encheu a cara ou usou drogas na noite anterior.

f) Não minta

Não existe nada pior que ouvir alguém dizer que tem 10 anos de prática mágica quando é possível ver claramente pela aura da pessoa que ela é um iniciante.

Não se engane, praticantes sérios de magia são capazes de saber se você é ou não um iniciado. Inventar títulos, tradições e mistérios é o caminho mais curto para o ostracismo mágico. Você conseguirá o respeito de outros praticantes com muito mais facilidade se for honesto.

g) Não invada

A maioria dos bruxos e magos possui escudos, tanto em suas casas, quanto em suas auras. Não tente checar um praticante apenas pelo prazer de fazer isso. Se ele ou ela tiver bons escudos e pouca paciência você pode se machucar seriamente.

Não entre no espaço mágico de outras pessoas sem que elas saibam. Não lance feitiços em outras pessoas sem que elas tenham dado permissão. Não tente fazer scrying em casas de praticantes de magia ou em suas vidas sem permissão.
Algumas pessoas podem confundir um scrying bem intencionado em invasão mágica de privacidade e reagir de forma agressiva.

h) Não toque

Nunca, mas nunca mesmo toque um altar ou instrumentos mágicos de outro praticante sem a expressa permissão dele. E se esta permissão for dada uma vez não assuma que ela será sempre concedida. Peça, todas as vezes, antes de tocar um objeto mágico.

i) Não seja curioso demais

Muitos praticantes gostam de ter seus livros das sombras à mão na hora realizar eventos. Outros gostam de fazer pastas com seus rituais. Não abra uma pasta ou Livro das Sombras de um bruxo sem permissão. Não vá pegando e lendo qualquer material que encontrar no espaço do evento.

j) Não se fixe em vidas passadas

Muitas relações pessoais e mágicas já foram destruídas quando pessoas resolvem “lembrar” de suas vidas passadas. Casos de amor, traições, ameaças, medos, tudo isso pode ser “lembrado” e de repente, uma bela amizade ou relação sacerdotal pode ser destruída porque os envolvidos não conseguem perceber a diferença entre o passado e o presente.

O que quer que tenha ocorrido em uma vida passada ficou no passado e não tem lugar no aqui e no agora.

E porque eu coloquei “lembrar” entre aspas? Porque muitas das supostas lembranças não são nada além de viagens do ego de certas pessoas. Quantas pessoas que juram que foram Nefertiti vocês conhecem? Já repararam que ninguém nunca foi uma escrava, ou um servo em suas vidas passadas? Temos reis, princesas, rainhas. É quase como se só os importantes reencarnassem. Mas a verdade é que tem gente que simplesmente não é capaz de separar o que é viagem de sua imaginação e o que é verdade.

Por via das dúvidas, deixem o que passou no passado, seja lá o que for.

k) Se você não sabe, pergunte.

A maioria dos praticantes antigos não se importa em responder a uma pergunta feita com educação. Você não é obrigado a saber nada e se não sabe tem todo o direito de perguntar.

Só que existe um limite entre perguntar algo e tentar provocar seu interlocutor. Não cruze este limite. Se você não concorda com o assunto do evento, levante-se e saia, não cabe a você desmoralizar uma palestra ou workshop só porque não gostou da forma como o assunto está sendo abordado.

Também não cometa o erro de rir de uma pergunta, por mais simples que esta lhe pareça. Pode ser simples para você, mas não para a pessoa que está perguntando.

*Nota da dona no Blog:* a continuação deste post virá nas próximas semanas 😉

Texto original por Naelyan Wyvern, Bruxa e Wiccana desde 1992, fundadora e Alta Sacerdotisa da Tradição Caminhos das Sombras. Também Suma Sacerdotisa Wanen. Atualmente mora em Vancouver, BC, Canadá.
Anúncios

Um comentário sobre “Etiqueta Mágica (parte 1 de 3)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s