Mito Diânico da Criação

No momento infinito, antes de tudo, a Deusa levantou-se do caos e deu nascimento á Ela mesma. Isto foi antes de Ela ter nascido, até Ela própria. E quando separou o céu das águas, Ela dançou sobre elas. Conforme Ela dançava, assim aumentava seu êxtase e em Seu êxtase Ela criou tudo o que existe. Seus movimentos provocavam os ventos e assim o elemento Ar nasceu e respirou, e a Deusa nomeou a Si mesma de Arianrhod, Cardea e Astarte.

E faíscas saíam de seus pés conforme Ela dançava e brilhavam como o Sol, e as estrelas se prenderam em Seus cabelos. Os cometas passavam sobre Ela e assim o elemento Fogo nasceu e a Deusa nomeou a Si mesma de Sunna, Vesta e Pele.

Sob os Seus pés moviam-se as águas formando ondas e assim os rios e lagos passaram a fluir e Ela nomeou a Si mesma de Binah, Mari Morgine e Lakshmi.

E procurando descansar Seus pés na dança, produziu a Terra de modo em que as margens dos rios e mares fossem os Seus pés; as terras férteis, o Seu ventre; as montanhas, os Seus seios fartos e Seus cabelos todas as coisas que crescem, e a Deusa nomeou a Si mesma de Cerridwen, Deméter e Mãe do Milho.

E Ela se tornou Àquela que é, foi e será. Nascida de sua própria dança sagrada, do prazer cósmico e da alegria infinita. Ela sorriu e criou a mulher á Sua própria imagem, para ser a sua Sacerdotisa. De seus elementos – Terra, Ar, Fogo e Água – a Deusa criou o Seu Consorte para lhe dar amor, prazer, companheirismo e para compartilhar.

A Deusa falou então às Suas filhas:
– Eu Sou a Lua que iluminará os seus caminhos e revelará os seus ritmos.
– Eu Sou a dançarina e a dança.
– Eu Me movo sem movimento.
– Eu Sou o Sol que dá calor para germinar e crescer.
– Eu sou tudo o que será.
– Eu Sou o vento que virá ao seu chamado e as águas que oferecem a alegria.
– Eu Sou o Fogo da dança da vida e a Terra abaixo de seus pés dançantes.
– Eu dou á todas as minhas Sacerdotisas os três aspectos que são Meus:
– Sou Ártemis, a Donzela dos animais e a virgem da caça.
– Eu Sou Isis, a Grande Mãe.
– Eu Sou Ngame, a Deusa ancestral que sopra a mortalha.
– Eu serei chamada pôr milhões de outros nomes.
– Chamem por Mim minhas filhas, e saibam que Eu Sou Nêmesis. Nós todas somos Donzelas, Mães e Anciãs.

Oferecemos nossa energia criada ao espirito das mulheres que foram, ao espírito das mulheres que virão e ao espírito
das mulheres que crescerão. E assim vamos evoluir juntos.

Por Morgan McFarland, pioneira da Wicca Diânica e fundadora da McFarland Dianic Tradition, fundada em 1971.

Leia a versão do mito da criação escrita por Naelyan, fundadora da Tradição Caminhos das Sombras.

Anúncios

Um comentário sobre “Mito Diânico da Criação

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s