Heket, a Deusa-Sapo da fertilidade

Heket, a Deusa-sapo
Heket, a Deusa-sapo da fertilidade

Heket é uma Deusa da fertilidade, do parto e da morte, descrita como um sapo ou uma mulher com a cabeça de um sapo.

Ela  está principalmente associada aos estágios mais avançados da gravidez e do parto. Quando retratada como mulher com a cabeça de um sapo, ela o carrega facas na mão. Enquanto os egípcios não parecem ter uma palavra para as parteiras, as pessoas treinadas nas artes do parto eram conhecidas como “os servos de Heket“.

Para os egípcios, o sapo era um símbolo de vida e fertilidade, já que milhões deles nasciam após a inundação anual do Nilo, que trazia fertilidade para as terras que de outra forma seriam áridas. Sua associação com sapos pode ser uma alusão à fertilidade implícita e à abundância de sapos e girinos, e o fato de que, no Egito, os sapos emergem das lamas do Nilo já em sua forma adulta, o que era visto pelo povo como magia.

Na mitologia egípcia Heket aparece como parteira mas ao mesmo tempo tambem aparece como guia para os que morreram recentemente. Enquanto seu consorte Khnum molda o corpo físico, Heket faz com que a alma entre nele. À medida que o corpo físico nasce, suas facas cortam os cordões. Quando a morte visita, Heket está lá não apenas para cortar os vínculos que a vida impõe à alma, mas também para preparar o corpo para a próxima vida.

Imagens de Heqet
Imagens de Heket

Origem do nome

Heket (também escrita como Heqet, Heqat, Hekit, Heket e mais raramente Hegit ou Heget) pode ser simplesmente traduzida como “sapo”. Não a toa, nos primeiros registros dessa deusa ela era retratada simplesmente como um sapo e, apenas com o passar do tempo e a humanização dos deuses que ela se tornou uma mulher com cabeça de sapo.

Hieróglifos do nome Heket
Hieróglifos do nome Heket

 

Parentesco

Ela é conhecida como filha de , o Deus Sol, e frequentemente é descrita como parceira do deus oleiro Khnum, um deus criador, que seu papel na mitologia egípcia era criar o corpo humano a partir da lama do Nilo. E, com Khnum ela gerou Hórus, o deus dos céus e dos Vivos.

Enquanto Khnum é responsável pela formação do corpo físico, Heket sopra Ka (o espírito) na forma inanimada, responsável por trazer corpo e espírito ao mundo e garantir que nenhum fio o ligasse à sua existência mais firme. Assim, juntos, eles são responsáveis ​​pela criação de cada ser humano vivo no universo egípcio. Há uma imagem muito famosa dos dois mostrando Khnum trabalhando com sua roda e criando um novo filho enquanto Heket está ajoelhada diante dele, empunhando suas facas.

Khnum e Heket
Parede com Khnum e Heket moldando uma nova vida

De acordo com outra tradição, ela era a esposa de Heh e foi ele quem criou cada pessoa antes que ela lhes desse vida. Finalmente, às vezes era considerada esposa de Hórus, o mais velho, e associada a Hathor, fazendo o papel de consorte e mãe. 

 

Senhora do Nascimento

No Papiro de Westcar há uma historia de Heket atuando como parteira. Nesta história, Ra envia Heket, Isis e Meskhenet para a câmara de nascimento da mãe real Reddedet para ajudá-la no nascimento de seus três filhos destinados a serem do faraó. Depois que as deusas entram no palácio, disfarçadas de dançarinas, Heket acelera o nascimento dos bebês, enquanto Isis os nomeia e Meskhenet prevê seu futuro.

 

Guia na hora da Morte

Heket aparece em varinhas de marfim como um sapo segurando uma faca. Presume-se que essas varinhas tenham tido alguma função ritual. Usadas no desenho de energias ou ambientes de proteção durante períodos perigosos, essas varinhas estão associadas ao tempo liminar do parto, quando mãe e filho correm risco de forças negativas. Também é interessante notar que muitas varinhas de marfim são encontradas na entrada das tumbas. A interpretação mais óbvia é que as varinhas são quebradas e removidas do reino físico. Destruição e deposição ritual parecem ser a explicação mais provável; no entanto, é interessante sua relação com a Deusa, considerando o outro papel de Heket como psicopompo e ligada a ressureição.

Varinha egípicia com imagem de Heket
Varinha egípcia com imagem de Heket como sapo

Heket aparece em vários contextos funerários. Há nos textos da Pirâmide de Unas, um feitiço para “não perecer para sempre” onde aparece o nome de Heket no plural, levando Ka (que é a alma dos falecidos) ao horizonte oriental. O mesmo texto também afirma que Hekets prestaram o mesmo serviço ao Deus Rá em sua jornada durante a noite. Isso é muito significativo na mitologia egípcia, pois o horizonte oriental foi visto como o pântano que simboliza a vulva de Nut e, portanto, é uma terra de renascimento.

À medida que o mito de Isis e Osiris se desenvolve, Heket é vista como a força que ressuscitou o Hórus na vida após a morte. No pé de seu esquife, ela soprou nova força vital para o Deus morto, atuando como uma parteira divina em seu renascimento, e permitiu que ele voltasse e assumisse seu lugar como rei do submundo. Amuletos em forma de sapo eram encontrados como como parte do rito funerário, presumivelmente a esperança de que Heket desempenhasse o mesmo papel durante o renascimento na vida após a morte. Há evidências de que a associação entre sapos e ressurreição no início do cristianismo no Egito, com sapos encontrados em combinação com cruzes em alguns fragmentos de lâmpadas de cerâmica.

 

Heket e os sapos

Os próprios sapos têm uma conexão mágica no mundo espiritual egípcio. Plínio, o Velho, registra que os egípcios consideravam os sapos gerados espontaneamente pela lama deixada pelas enchentes do Nilo, enquanto os hieróglifos do girino representavam 100.000. A forma anfíbia representa abundância e nascimento; no entanto, quando o hieróglifo do sapo é usado em conjunto com a frase Ankh Wajet Seneb (‘repetir a vida’) serve para representar o conceito de renascimento na vida após a morte.

Sapos de Heket
Sapos de Heket encontrados em tumbas egípcias

 

Culto

É de Heket a estátua de culto mais antiga sendo dos últimos períodos pré-dinásticos (anterior ao ano 3100 a.e.C.), possivelmente originada de Abidos (o lugar de enterro mais importante de Antigo Egito), onde outros depósitos de estátuas de sapos foram encontrados sob o templo. Isso indica que Abidos pode ter sido um centro de culto inicial desta Deusa. A veneração à Ela parece ter sido consistente com as evidências de sua adoração que aparecem nas Primeira, Segunda e Dinastias do Meio. Os templos eram construídos e dedicados a ela até o período ptolomaico, onde seu centro de culto parece ter sido em Gesa (ou Gesy), que hoje em dia é a cidade de Qus, no Alto Egito.

 

Estátua de Heket
Estátua de Heket

Aparição na Bíblia

Até na Bíblia há um pedaço que pode ser relacionado à Heket. Na parte onde Moises quer sair do Egito e o Faraó recusa a deixar os filhos de Israel partirem, a segunda praga que toma o local, a praga dos sapos pode ter relação direta com Heket. Nesta parte conta-se que os sapos subiram do rio e entraram em todas as casas, na comidas, nas roupas, em todos os lugares possíveis.Do maior ao menor, ninguém no Egito escapou da praga dos sapos.Os magos do Faraó conseguiram trazer mais sapos na tentativa de “imitar o poder de Deus”, mas somente Moisés foi capaz de fazer os sapos desaparecerem.
Neste caso pode-se fazer ligação com os magos Egípcios invocando Heket para que os sapos venham e, ter ido para bíblia rebaixa os sapos à pragas que somente o Deus Abraamico conseguiu mandar embora.

 

Seria Heket ligada à Hécate?

Há alguns sites na internet que defendem que Heket seria a origem do nome de Hécate, a Deusa Grega da Magia e senhora dos Caminhos. mas, apesar de Heket e Hécate terem associações à partos, servindo nesse papel para nascimentos divinos e mortais, e de ammbas as deusas se movem no reino que fica no limite entre a vida e a morte e empunham facas em suas tarefas divinas, não há evidências de ligações concretas entre elas.

Hécate carrega o epíteto ‘Phroune‘, que significa ‘sapo’, como aparece no Hino à Selene-Hecate-Artemis de um manual de magia grego (também conhecido por PGM IV 2714-83); no entanto, o contexto não se refere ao parto ou qualquer outro conceito associado ao Heket. Na “Enciclopédia das Religiões”, volume 1, John G.R. Forlong se refere a esse hino em relação a Baubo, uma antiga Deusa Grega do Ventre.

Heket é uma deusa egípcia com foco em um fenômeno egípcio e em conceitos de vida e morte. Hécate pode ter origens similares; no entanto, não há evidências de que suas raízes se estendam para o Egito ou que os dois cultos se fundam no registro arqueológico ou histórico.

 

Epítetos

  • Ela que acelera o parto

 

Parentesco

  • Filha , o Deus Sol
  • Consorte de Khnum, o Deus que molda os corpos vivos
  • Mãe de Horus, Hórus, o Deus dos céus e dos Vivos

.

Deusas com aspectos semelhantes:

  • Mitologia Nativa-Brasileira: Mari, como senhora do Renascimento
  • Mitologia Grega: Hécate, como Senhora do Parto
  • Mitologia Havaiana: Pele, como senhora da Morte e ressureição

 

Guia rápido de Correspondências:

Invoque Heket para: nascimentos, gestação, parto, fertilidade, abundância, guia para mortos, contato com mortos recentes
Animais: Sapo
Bebida e comidas: água de rio
Cores: tons de verde, azul-água e marrom-lama
Elemento: água
Face da Deusa: Mãe
Fase da lua: Cheia, Nova
Pedras: Marfim
Símbolos: sapos, facas, varinhas, terra, rio, lama, Ankh, sistro, ovos de pedra, potes e vasos com água.

Fontes:
https://www.ancient.eu/article/885/egyptian-gods—the-complete-list/
https://knotmagick101.wordpress.com/2013/12/26/heket-egyptian-goddess-of-life-death-and-rebirth/
https://en.wikipedia.org/wiki/Heqet
https://ancientegyptonline.co.uk/heqet/