Macha, Deusa da Soberania e protetora da guerra e da paz

macha

Macha (pronuncia-se “Marra“) é uma Deusa irlandesa da Soberania, Rainha da Vida e da Morte e reverenciada no Lughnasadh/Lammas. Ela é a Deusa protetora da guerra e da paz, regendo também a astúcia, a força física, a sexualidade, a fertilidade e o domínio sobre os homens.

Macha é também a Deusa que guia às almas ao além-mundo. Ela vive na terra dos mortos, no oeste. Antes de sua ligação com a morte, ela representava a quintessência das fadas. É igualmente considerada uma Deusa da Água, semelhante à Deusa galesa Rhiannon, e Protetora dos Eqüinos, como a Deusa gaélica Epona. Está ainda associada à Deusa do parto, principalmente se estes forem gêmeos.

Existem várias figuras chamadas Macha na mitologia irlandesa, várias das quais são identificadas como a origem do nome de Emain Macha. As primeiras referências a identificam como uma Deusa Tríplice associada à Morrígan (ou Morrigu) e Badb, confirmando o significado do triskle para a cultura celta, em termos de respeito ao simbolismo da Trindade. No “Livro das Invasões”, nas lendas do Ciclo de Ulster, a seguinte frase descreve esta triplicidade: “Badb e Macha, grandes poderes. Morrígan que espalha confusão, Guardiãs da Morte pela espada, Nobre filhas de Ernmas“. Ela está ligada também a Danu no aspecto fértil. 

No “Livro Amarelo de Lecan”, Macha é mencionada como um corvo que se alimenta dos cadáveres em combate. Ela também está associada a troféus de batalha sangrentos, como as cabeças recolhidas dos inimigos, chamadas de “a Colheita de Macha”. Esta ligação com a arte da batalha é reforçada pelo nome das Mesred machae, os pilares das fortalezas, onde as cabeças dos guerreiros derrotados eram empaladas.

.

Mitologia

Macha, segundo conta uma das lendas, é uma Deusa que preferiu viver entre os mortais. Teve como seu primeiro marido, o líder Nemed, que morreu em uma batalha, narrada no “Leabor Gabala” (O Livro das Conquistas).

Por muito tempo, Macha governou a Irlanda sozinha, até unir-se ao seu segundo marido, Cimbaeth.  Mas foi com seu terceiro marido, Crunniuc Mac Agnomainque surgiu a lenda de sua maldição. 

machaA história inicia-se quando Crunniuc, um fazendeiro de Ulster, pai de quatro filhos e desolado pela morte da esposa. Macha, uma senhora misteriosa, entra em sua casa, organiza seu lar, dá ordens aos seus criados, fazendo tudo para agradá-lo. À noite faz amor com ele, tornando-se assim, sua esposa.

Como Deusa protetora dos eqüinos, e apaixonada por seu marido, ela multiplicou-os de maneira assombrosa e passava as manhãs correndo e competindo com eles pelos prados. Neste período, Crunniuc prosperou como nunca, e recebeu o reconhecimento dos outros nobres da região. Aparentemente, a mulher trouxera-lhe boa fortuna. Ele nunca indagou a mulher sobre sua origem, nem questionou o que ela fazia ali. Apenas amou e confiou naquela silenciosa mulher, depositando ali seu coração. Eis que então a formosa mulher dos cabelos cor de fogo trouxe a Lua para seu ventre, brindando Crunniuc com a alegria de, dali a nove ciclos de lunação, ser pai.

Algum tempo depois, o rei Conchobar convidou a todos para um festejo no Condado de Armagh. Crunniuc decidiu que iria ao Festival. Macha lhe pediu para não ir, advertindo-lhe que ele falaria Dela durante o festejo e que isso atrairia desgraça para os dois. Crunniuc não desistiu e prometeu não dizer uma só palavra sobre seu relacionamento. 

O próprio rei de Ulster presidia os festejos. Num certo momento, para agradá-lo, alguém fez elogios aos seus cavalos, garantindo que não havia outros mais velozes em todo o mundo. Crunniuc, não conseguindo conter-se, afirmou que sua mulher corria mais rápido que qualquer quadrúpede. 

O rei, com raiva, mandou prendê-lo e exigiu uma comprovação de tais palavras. Sendo assim, Macha foi forçada a comparecer ao festival para competir com os cavalos do rei, sob pena de matarem seu marido se ela resistisse. Ela protestou e apelou pedindo então que o rei aguardasse o término de sua gestação para que tal feito fosse realizado. Ela lembrou-lhes que todos tinham mãe, e perguntou-lhes o que sentiriam se obrigassem a cada uma delas uma prova semelhante, em estado tão avançado de gravidez. Mas de nada adiantou seus lamentos: para a maioria dos homens, devido ao excesso de álcool, lhes parecia muito atrativo aquele perigoso desafio.

Macha então teve que aceitar realizar a corrida, já sentindo as dores do parto. Trouxeram então os cavalos e teve início a competição, que teve um fim muito breve, pois ela alcançou a chegada rapidamente com uma vantagem folgada. 

macha-1No entanto, ao final, ela caiu ao solo gritando de dor e, naquele mesmo instante, deu luz a gêmeos, Fir e Fial, um menino e menina. Neste momento, todos se deram conta do que haviam feito, mas foram incapazes de se mover para ajudá-la. Então, ainda entorpecida pela dor, exige que a terra seja nomeada por ela – hense Emain Macha, “os gêmeos de Macha” (agora conhecido como Fort Navan). Ela ainda reuniu suas forças e, voltando-se para todos, disse: “Desse dia em diante, durante cinco dias e cinco noites, por nove gerações, nos momentos em que todos os guerreiros do Ulster mais precisarem de suas forças, todos serão cometidos pelas mesmas dores de meu parto, pois eu sou Macha, filha de Sainrith Mac Imaith, e para enaltecer meu nome, esse lugar será chamado, para sempre, de Emain Macha”.

Dizendo isso, a Deusa retirou-se do local, levando seus filhos e deixando todos os convidados atônitos com a revelação de sua identidade. Crunniuc nunca mais viu a Deusa ou seus filhos, voltando desolado, para suas terras que nunca mais, a partir daquele momento, seriam prósperas como outrora foram, quando Macha lá habitava, trazendo luz e prosperidade ao lar e ao coração.

Somente as mulheres, as crianças e o herói Cuchulainn ficaram a salvo das palavras de Macha.

.

Genealogia

macha-lughnasaEla é filha da Deusa Ernmas, uma Deusa-Mãe irlandesa.

Quanto à seu pai, há pois ela está listada entre as dez filhas de Partholón (o líder do segundo grupo a se estabelecer na Irlanda, o Muintir Partholóin) porém na historia onde Macha é a esposa de Cruinniuc (e também presente no conto de sua maldição) ela é listada como filha de Sainreth mac Imbaith (“O Estranho filho do Oceano”); O nome de Partholón pode significar “filho do mar”, fazendo um paralelo com a ascendência da última Macha. Nada se sabe deste Macha filha de Partholón pois seu povo foi varrido da terra por uma praga.

É da história de sua maldição que surgiu a associação entre Macha e a Deusa celta dos cavalos, Assim como a gaulesa Epona e a galesa Rhiannon.

Vale a pena notar que seu pai aqui está ligado ao oceano, assim como Partholón. Rhiannon se casa com Manawydan ap Llyr – “filho do Mar”, e em outros lugares, seu filho Pryderi é criado (e provavelmente gerado) por Terynon Twrflian “Senhor do Mar Raging”, que encontra o menino em um estábulo em Ao mesmo tempo que sua égua está parindo. Podemos então sugerir que Macha pode ser a mãe de Cuchulain. Em uma versão da história (há duas versões muito diferentes), Conchobor está caçando um bando de pássaros, e passa a noite como o convidado de um homem e sua esposa, que não são citado nomes. Ele se deita com a esposa, embora não tenha relações sexuais, ela fica grávida. À medida que a mulher dá à luz, uma égua que está do lado de fora da porta também dá à luz dois potros; De manhã, todos – o homem, sua esposa e os pássaros – desaparecem, exceto Conchobor e seus homens, os potros gêmeos e o bebê, que é Cuchlain. Ele é entregue à irmã de Conchobor para ser criado com seu filho Conall Cernach, que age como gêmeo de Cuchulain. Dos dois cavalos, nascidos ao mesmo tempo que Cuchulain, um que é mais forte do que o outro e é chamado “Liath Macha” – o Cinza de Macha – e quando Cuchulain morre, o cavalo foge para o mar. No entanto, uma recensão de Lebor Gabala Erenn afirma que o cavalo foi nomeado como “Macha filha de Delbaeth”, idêntico a “Macha filha de Ernmas”. Novamente, Macha é relacionada a cavalos, reforçando a identificação com a Deusas Epona.

.

Macha, esposa de Nemed

230051_10150203502181962_574766961_7613163_214095_nDe acordo com Geoffrey Keating (clérigo, poeta e historiador irlandês do século XVII), Macha era esposa de Nemed (ou Neimheadh), cujo nome significa, em última estância, o “santo” ou “o sagrado”; Ela morre durante o décimo segundo ano depois de vir para a Irlanda; E a esta Macha, Keating dá o nome de Armagh (Ard Mhacha, que significa “alto [lugar de] Macha”). Os Anais dos Quatro Mestres (livro de crônicas da história irlandesa) também nomeiam confusamente Macha não apenas como a esposa de Nemed, mas também dnao este nome à esposa de Iarbhainel, o Profeta, filho de Nemed. Como esposa do “santo” e esposa do “profeta”, ela provavelmente representa a “primeira função” na sociedade irlandesa (e indo-européia), a função sacerdotal.

.

Macha Mong-Ruadh: Macha, a ruiva

machabase_by_pernastudios-d7aoe8jDe acordo com Do Flathiusaib Hérend (antigo texto sobre os principados da Irlanda) de Geoffrey Keating, ela era filha de Aedh Ruadh (ou “Fogo Vermelho”), e tira a soberania da Irlanda dos dois co-reis de seu pai, Cimbaeth e Dithorba, que não reconheceriam seu direito de governar depois sua morte. Ao vencer, os filhos de Dithorba se rebelam, e são derrubados por Macha. Ela então leva Cimbaeth como seu marido.

Disfarçada como uma mulher leprosa, ela caça os filhos de Dithorba que estavam escondidos em Connacht. Cada um deles tenta dormir com ela nesta forma mas, em vez disso, ela os amarra e os trás de volta à Ulster para ser escravos como castigo.

Eles marcam os limites de Emain Macha com seu broche, derivando assim “Emain Macha” de “eó muin” (broche” [e] pescoço); A mesma derivação é encontrada em Sanas Cormaic. Os Anais dos Quatro Mestres a nomeiam também como mãe adotiva de Ugaine Mor. Ela governou por sete anos. Os Anais também afirmam que ela foi morta por Rechtad Rigderg (O Rei Vermelho). Ele, por sua vez, foi morto por Ugain Mor.

O Metrial Dindsenchas apresenta um conflito entre esta Macha com a esposa de Nemed e com a esposa de Cruinniuc. Esta face de Macha exibe traços de guerreira e de  rainha como “segunda função”.

.

Macha, esposa de Cruinniuc

2335142_origNo texto Noínden Ulad (A Debilidade dos homens de Ulster), Macha é esposa de Crunnchu mac Agnoman (Agnoman mais conhecido como pai de Nemed), que extrai dele uma promessa de que ele não vai contar a ninguém sobre sua existência. Crunnchu vangloria-se imprudentemente de que sua esposa é mais rápida que os cavalos mais rápidos de Conchobor. Ela é forçada a correr uma corrida contra esses cavalos durante a gravidez e dá à luz gêmeos depois de correr a corrida. Ela amaldiçoa os homens do Ulster com experiências nascidas durante sua pior hora e exige que a terra seja nomeada por ela – hense Emain Macha, “os gêmeos de Macha”, agora conhecido como Fort Navan. Ela também dá seu nome à cidade e condado de Armagh, de Ard Macha, “alto [lugar de] Macha”. É desta história – sua raça contra cavalos e dar à luz gêmeos – Fir e Fial, um menino e menina – logo após uma corrida de cavalos – que dá a associação entre Macha ea deusa do cavalo celta, como a Gaulês Epona e os galeses Rhiannon.

.

Macha e a Soberania

Giraldus Cambrensis, um antigo historiador Galês, relata uma famosa história sobre o ritual de realeza, onde ele detalha como uma égua branca é levada para o meio da multidão onde o rei tem relações sexuais com o animal. A égua é então cortada e cozida, com o rei sentado no caldo e bebendo-o, enquanto ele e o povo consomem a carne.

Este ritual – embora se é real ou falso não se sabe – tem paralelos com rituais na Índia e em Roma, sendo um ritual de realeza comum envolvendo culto de cavalo e sacrifício. O mais interessante é que a descrição de Gerald coloca o ritual em Ulster – onde, é claro, a terra é nomeada para a própria Macha. Isso a faz uma senhora da Soberania.

9bbf90846ca41f94b14995fb4c346de5

.

Epít

etos

  • Mong-Ruadh – Macha, a ruiva

.

Parentesco:

  • Filha de Partholón em uns contos e de Sainrith Mac Imaith em outros
  • Filha de Ernmas, uma Deusa-Mãe irlandesa
  • Teve 3 esposos: Nemed, Cimbaeth e Cruinniuc

.

Deusas com aspectos semelhantes:

  • Mitologia Celta: Badb, Brigantia, Epona, Medb, Morrigan e Rhiannon
  • Mitologia Egípcia: Nut
  • Mitologia Nórdica: Freya

.

Guia rápido de Correspondências:

  • Invoque Macha para: sentimentos, coisas ocultas, trabalhos com água, partos, nascimentos, criação, colheita, morte, outromundo, soberania, realização, coragem, maldições.
  • Animais: cavalos e corvos
  • Plantas e ervas: Dama da Noite e cravo
  • Cores: banco, dourado, vermelho e negro
  • Face da Deusa: Mãe
  • Elemento: água e terra
  • Sabbat: Lammas / Lughnasadh
  • Estação do ano: outono
  • Signo: leão
  • Símbolos: Cavalos, foices, corvos, caveiras

.

Fontes:
O Livro da Mitologia Celta (por Claudio Crow Quintino)
Templo de Avalon http://www.templodeavalon.com/modules/articles/article.php?id=35
Jones’s Celtic Encyclopedia http://www.maryjones.us/jce/macha.html

.

Anúncios

3 comentários sobre “Macha, Deusa da Soberania e protetora da guerra e da paz

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s