Herbolária: Cravo da Índia

12-beneficios-do-cravo-da-india-para-a-nossa-saude-3

Cravo da Índia

Atenção: Não confundir com a flor Cravo (Dianthus caryophyllus)

Outros nomes populares: craveiro-da-índia, cravina-de-túnis, cravo-de-cabecinha, cravoária, rosa-da-índia.
Parte utilizada: botões florais secos.
Planeta: há referencias que falam que ela é uma planta ligada ao Sol e outras falam que é ligada a Júpiter
Elemento: fogo
Energia: masculina
Cores: vermelho, marrom
Signo: Touro e Sagitário
Usos mágicos: negócios, cura, energizar, dinheiro, sucesso, proteção, amor, dinheiro, limpeza, dissolve a negatividade, exorciza e bane o mal.
Propriedades medicinais: afrodisíaca, anti-séptica, aperiente, bactericida, digestiva, excitante, repelente de inseto, sudorífico, tônico estamáquico, tônico estimulante.
Indicações: dor de dente, inflamação na garganta, rouquidão, gases, higiene bucal, micose de unha, vermes, vias respiratórias.
Modo de usar: infusão dos botões florais secos, óleo, incenso.
Família: Myrtaceae.
Sinônimos botânicos: Caryophyllus aromaticus L., Eugenia aromatica (L.) Baill., Eugenia caryophyllata Thunb., Jambosa caryophyllus (Sprengel) Nied., Myrtus caryophyllus Spreng., Syzygium aromaticum (L.) Merr. & L.M. Perry.
Principios Ativos: Eugenol, acetato de eugenol, beta-cariofileno, ácido oleânico, triterpeno, benzaldeído, ceras vegetais, cetona, chavicol, resinas, taninos, ácido gálico, esteróis, esteróis glicosídicos, kaempferol e quercetina.
Habitat: Ásia tropical. No Brasil é cultivado nas regiões quentes do sul do Bahia, sombreando os cacaueiros, no litoral norte e interior do estado de são Paulo.
Toxicologia: Não se deve exagerar no consumo do cravo. Ele pode irritar a mucosa da boca. Quem tem o estômago mais sensível também deve usá-lo com moderação. Pode provocar contrações na musculatura do útero sendo, portanto, contra-indicado para gestantes. O uso externo pode causar eventuais reações alérgicas em pessoas sensíveis. O óleo essencial pode causar irritação na pele.
Efeitos colaterais: O óleo de cravo-da-índia pode irritar ou causar sensibilidade a pele e a membranas mucosas. Escarro contendo sangue e hemoptise (expectoração sanguinolenta na tosse) foram observados em pessoas que fumam cigarros de cravo-da-índia.

O cravo tem sido utilizado, há mais de 2000 anos, na culinária e em remédios e, ainda hoje, está presente como matéria-prima na indústria farmacêutica, cosmética e odontológica pois seu óleo tem propriedades antissépticas.

.

A planta

muda de cravo da india

O cravo-da-índia é uma planta de porte arbóreo, de ciclo perene e que atinge cerca de 12 metros de altura. A copa é bem verde, de formato piramidal.
As folhas são semelhantes às do louro, ovais, opostas e de coloração verde brilhante, com numerosas glândulas de óleo visíveis contra a luz.
As flores são pequenas, branco amareladas, agrupadas em cachos terminais.
O fruto é do tipo baga e de formato alongado, suculentos, vermelhos e comestíveis, aroma forte e penetrante.

.

História

Os cravos-da-índia tem uma longa história de uso culinária e medicinal. O nome científico antigo deriva da palavra grega “karyophyllon” que significa “folha-noz”. Vem da China a primeira indicação do uso do cravo-da-india como condimento, remédio e elemento básico para elaboração de perfumes especiais e incensos aromáticos. Os chineses também acreditavam que o cravo era um potente afrodisíaco.

Na China, era então conhecido por “ting hiang” e na dinastia Han (206 a.e.c. – 220 d.e.c.) seus frutos foram levados para a corte do imperador por enviados da ilha de Java. Conta-se que os próprios javaneses mantinham um pequeno fruto na boca para melhorar o hálito, antes de ir falar pessoalmente com o imperador.

No século 16, quando chegaram as Ilhas Molucas, os Portugueses imediatamente dominaram as plantações. Esse monopólio fez com que o preço do cravo-da-india no mercado ficasse muito alto, naquela época, um quilo de cravo equivalia a sete gramas de ouro. Os holandeses que sucederam aos Portugueses agiram da mesma forma e ganharam o monopólio ao destruir todos os craveiros-da-india, exceto aqueles que cresciam em uma ilha de sua propriedade.

Finalmente, a França rompeu o monopólio e, no começo do século XIX, a planta já era cultivada em grandes plantações em muitas regiões tropicais.

Ele foi trazido para o Brasil pelos Portugueses há 300 anos e é cultivado em regiões quentes: O óleo já foi usado como expectorante e antiemético, porém com resultados clínicos inconsistentes. O chá do cravo-da-índia foi usado para aliviar a náusea. O uso do óleo na odontologia como um analgésico e um antisséptico local e ainda presente na odontologia moderna. O óleo também tem sido usado tipicamente como um contra irritante.

.

O Plantio do Cravo da Índia

O seu cultivo é feito por sementes que caem das árvores e colocadas em caixotes com serragem úmida. A germinação tem início após o oitavo dia e as mudas devem ser colocadas em caixotes ou sacos plásticos com terra vegetal, permanecendo sob ripados por uma ano, após o que deve ser transplantadas. De preferência, o solo deve ser rico em matéria orgânica, úmido e bem drenado, em locais com temperaturas médias anuais acima de 20 C.

Começa a produzir máxima depois de 14 anos. Os botões florais devem ser colhidos quando sua coloração passa do verde pálido para um tom róseo avermelhado, o que ocorre, geralmente, entre os meses de novembro e fevereiro. Seu aroma quando seco é muito agradável.

Cultivo: Planta da Ásia, atinge 20 metros de altura quando cultivada não passa dos 5 metros. Cultiva-se em regiões quentes, da Bahia a São Paulo, prefere solos ricos em matéria orgânica, úmidos e bem drenados. As mudas formadas até 1 ano, devem ir para o local definitivo em espaçamento de 8m X 8m.
Colheita: Colhem-se os botões florais na época da floração o que ocorre depois dos 5 anos.
Modo de conservar: As flores são colhidas ainda em botão e devem ser colocadas para secar ao sol por cerca de 4 dias, até adquirirem uma coloração escura. Devem ser acondicionadas em recipientes de vidro ou porcelana.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s